Crise Climática e Transformação Energética

A transformação energética engloba profundas mudanças na geração e no consumo de energia, que trazem oportunidades significativas para avanços sociais e econômicos. Estas transformações podem não só mitigar a crise climática, mas também contribuir com medidas de adaptação para os mais afetados, corrigindo injustiças energéticas e melhorando a qualidade de vida da população.
A crise climática tem como principal causa, a nível global, a geração de energia através de combustíveis fósseis. Portanto,  a transição para fontes renováveis é a principal saída da humanidade para combatê-la. No entanto, os impactos negativos desta crise já são sentidos hoje, especialmente por populações em situação de maior vulnerabilidade.
Acreditamos que o Brasil pode liderar essa transformação energética pelo exemplo. Temos uma das matrizes mais renováveis do mundo, e podemos ir além. A geração distribuída de energia solar possibilita novos modelos descentralizados de energia comunitária,  que incorporam equidade social, inclusão e sustentabilidade. Assim, podemos democratizar o acesso aos benefícios da transição, como oportunidades de emprego, investimentos em infraestrutura e políticas para reduzir desigualdades sociais.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

Adotamos como norte a Agenda 2030 da ONU – um plano de ação global com 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Nossas atividades endereçam 12 dos 17 ODS. Entre eles estão: Energia Acessível e Limpa, Emprego Digno e Crescimento Econômico e Combate às Alterações Climáticas.  

Combate à Pobreza Energética

Ainda existem milhões de brasileiros que vivem em uma situação de pobreza energética, sem acesso a serviços de qualidade e com preços acessíveis.
No Brasil, 1 milhão de pessoas na Amazônia não tem acesso à energia elétrica. (IEMA, 2019) Os que possuem acesso à energia, muitas vezes dependem do diesel, um combustível caro e poluente. Segundo a IEA (2022), cerca de 770 milhões de pessoas vivem sem acesso à energia no planeta, sobretudo na África Subsaariana.
Estudo feito pelo Instituto Pólis (2022) demonstra como o acesso e a qualidade da energia ocorrem de forma territorialmente desigual e desproporcional entre diferentes grupos da sociedade, impactando de forma mais severa pessoas negras, famílias de menor poder aquisitivo e domicílios chefiados por mulheres. Famílias mais vulneráveis – e que, portanto, consomem menos – pagam um custo unitário de energia maior do que aquelas que mais consomem.
Pesquisa do IPEC (2022) mostra que 46% dos brasileiros dizem gastar mais do que a metade do orçamento familiar com despesas energéticas, muito acima dos 6% apontados pela literatura como o limite da acessibilidade, caracterizando um cenário de grave pobreza energética. Este orçamento poderia ser utilizado em educação, saúde, despesas básicas e melhorias na qualidade de vida. 

7 Territórios de baixa renda com energia solar

Babilônia e Chapéu Mangueira (RJ)
Desde a fundação, em 2015, este é o principal projeto da Revolusolar. Em 2021, a Cooperativa Percília e Lúcio de Energias Renováveis foi criada e assume as atividades do território.
Kurasí Tury (AM)
O projeto  foi nomeado pela comunidade na língua originária, que significa Energia do Sol na língua Nheengatu e realizado inteiramente em conjunto com a comunidade local e organizações representantes do território como COPIME e IFAM em 2022.
Circo Solar (RJ)

Em parceria com a Prefeitura do Rio e o Circo Crescer e Viver, é o primeiro circo no mundo que produz sua própria 100% renovável. 

‘O Sol Nasce para Todos’ - Complexo de Favelas da Maré (RJ)
O projeto foi implementado na sede do Museu da Maré, localizado no maior conjunto de favelas do Rio de Janeiro, e realizado em parceria com o FMCJS, Cáritas Brasileira, CEASM e Museu da Maré em 2022.
Energia para Todos 4.0 (SP)
Em parceria com a Worley e o Instituto Favela da Paz, participamos da criação da primeira associação comunitária de energia solar em periferias de São Paulo, em 2023. 
Coletivo de Energia Solar Paulo Freire (SP)
Em 2023, em parceria com o Instituto Pólis, promovemos um projeto piloto de energia solar em no Conjunto Habitacional Paulo Freire, um empreendimento do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV)

Conhecimento

Criamos uma área de conhecimento onde compartilhamos a experiência que adquirimos ao longo da nossa trajetória. A produção de conhecimento é fundamental para informar e orientar estratégias que impulsionam o desenvolvimento socioeconômico de comunidades de baixa renda e fortalecem a agenda da sustentabilidade no país.

Prêmios e Reconhecimentos

(2020)

(2020)

(2020)

(2019)

(2021)

(2021)

(2022)

(2022)

Participe dessa Revolução Solar

Ajude a impulsionar no Brasil uma transição energética justa!
plugins premium WordPress